quinta-feira, 2 de maio de 2013

MÁRIO SCHENBERG - ASTROFÍSICO E CRÍTICO DE ARTE


 
Mário Schemberg - 19:48 
Prof. Mário Schenberg
 
    Mário Schemberg
 
Físico e crítico de arte brasileiro 


  2/7/1914, Recife (PE) - 10/11/1990, São Paulo (SP) "

E como já estou no fim de minha carreira, há um conselho que dou a vocês: não tenham medo. Porque se tiverem medo, nunca poderão criar nada de original. É preciso que não tenham medo de dizer alguma coisa que possa ser considerada como um erro. Porque tudo que é novo aparece aos olhos antigos como coisa errada. É sempre nessa violação do que é considerado certo que nasce o novo e há a criação." Podemos dizer que tanto o físico teórico quanto o crítico de arte ou o político contestador estão em busca do novo. Este é o eixo em que se moveu Mário Schemberg. Schemberg estudou na Faculdade de Engenharia do Recife, transferindo-se depois para a Universidade São Paulo. 

Em 1935, graduou-se em engenharia e em matemática pela USP. No ano seguinte, publicou um trabalho sobre eletrodinâmica quântica na Itália, iniciando sua carreira de físico teórico. Trabalhou com cientistas de renome mundial nos Estados Unidos, entre 1940 e 1942. Schemberg foi considerado um dos maiores físicos do Brasil. Participou de vários projetos importantes na área de astrofísica. Foi ele quem batizou como processo Urca o ciclo de reações nucleares na formação de estrelas supernova, pesquisa que realizou com o físico George Gamow. Em 1942, com o cientista indiano Chandrasekhar, descobriu o limite Schemberg-Chandrasekhar, em evolução estelar.

Mário Schemberg redigiu mais de uma centena de trabalhos científicos. Paralelamente, dedicou-se à política, sendo eleito deputado pelo PCB (Partido Comunista Brasileiro) em 1946, mas teve seu mandato cassado por motivos políticos. Em 1953, retornou de seu exílio na Europa e foi nomeado diretor do departamento de física da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. Começou a atuar como crítico de arte em 1958. 

Três anos depois, iniciou seu trabalho perante a Bienal das Artes. Schemberg desenvolveu uma fecunda atuação no mundo das artes plásticas. Além de crítico, foi também um grande colecionador, mantendo relações pessoais com muitos artistas, como Alfredo Volpi e Bruno Giorgi. Em 1962, Schemberg elegeu-se novamente deputado, sendo mais uma vez cassado. Representou o Brasil na conferência de Kyoto, no Japão, em 1965, sobre partículas elementares. Com a imposição do AI-5, em 1969, Schemberg foi aposentado compulsoriamente e perdeu seus direitos políticos. Em fins da década de 1970, já uma figura de projeção nacional, intensificou sua atuação política. 

Denunciou o acordo Alemanha-Brasil e fez campanha contra o uso indevido de energia nuclear. Mário Schemberg foi reintegrado à Universidade de São Paulo em 1979, tornando-se, em 1987, professor emérito. Faleceu em 1990, deixando uma filha, Ana Clara.

Mário Schenberg (1914-1990)

Mário Schenberg nasceu em Recife no ano de 1914. Lá, fez seus primeiros estudos, viajando, aindacriança, para o Rio de Janeiro e para Paris.O interesse pela tecnologia e pela ciência veio no ginásio. Estudou engenharia inicialmente no Recife. Transferiu-se depois para São Paulo, onde se formou engenheiro eletricista. 

Fez os seus primeiros trabalhos de astrofísica nos Estados Unidos de 1940 a 1942. Nesse período entrou em contato com Albert Einstein e desenvolveu com George Gamow o processo Urca, mecanismo de explosão das estrelas supernovas. 



Durante a década de 1960 lecionou  no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas no Rio de Janeiro, tendo sido membro da Academia Brasileira de Ciências, da Academia de Ciências do Estado de São Paulo e da Academia de Ciências da América Latina, em Caracas. Em 1983, recebeu o Prêmio Nacional de Ciência e Tecnologia do Conselho Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, na área de física. 



Mário Schenberg atuou com muitos cientistas laureados com o prêmio Nobel de física. Foi pioneiro em vários campos da física e da química, da astrofísica e da teoria das partículas elementares. É autor de 114 trabalhos sobre astrofísica, física teórica, física experimental, física matemática, análise funcional e geometria 



Mário Schenberg foi presidente da Sociedade Brasileira de Física, e membro do conselho dessa sociedade durante várias gestões. Sua ação se destacou na definição de uma política da comunidade de físicos contra o acordo nuclear Brasil-Alemanha para construção de Usinas Nucleares, pois tinha plena convicção de que no Brasil o reator nuclear não poderia competir de modo algum com a energia hidroelétrica. 


O Professor Mário Schenberg nos deixou em 1990. 
Mas os seus trabalhos, o seu modo de ser 
e a sua ideologia ficarão eternamente
 nos corações dos amantes da Ciência. 





Especial:::2005, 15 anos da morte de Mário Schenberg

Fotografias de Mário Schenberg
       
















Físico de renome internacional, Mário Schenberg deixou após sua morte, em 10 de Novembro de 1990, mais do que estudos em sua área de trabalho. Afora brilhantes projetos realizados ao lado de outros cientistas consagrados pela história moderna, Schenberg foi crítico de arte, além de político e amante de fotografia. E como tal, descobriu que a ciência não se fazia apenas de equações e incógnitas. 


        Foi durante a ditadura, porém, que Schenberg se dedicou com mais assiduidade à arte. Cassado e proibido de entrar no campus universitário, passou a viver das críticas que fazia. "Nessa época, ele descobriu que o meio artístico era muito mais solidário do que o acadêmico", diz Goldfarb, biógrafo deste físico. 


Amigo de César Lates, hoje famoso pelo seu trabalho sobre os mésons p , Schenberg esteve sempre muito próximo de outros gênios. Assim foi com Wolfgang Pauli,Albert Einstein,tendo convivido com este por quatro meses, e o indiano Subrahmanyan Chandrasekhar, com quem elaborou o Limite Chandrasekhar-Schenberg, referente à evolução de estrelas semelhantes ao Sol. 


        Mentor de projetos pioneiros enquanto vivo, Mário Schenberg continua sendo inspiração para novos trabalhos. O Detector de Ondas Gravitacionais que leva o nome do físico, parte brasileira de um projeto ainda maior em desenvolvimento com Itália e Holanda, é um exemplo. 


        Então, 15 anos depois de sua morte, fica a imagem de um cientista bem sucedido, capaz de igualar-se perante outros nomes importantes. Acima disso, de Schenberg fica o lado humanístico, que o fez acreditar que a intuição e o desconhecimento eram armas necessárias a todos os homens da ciência. 

“Eu não me guio muito pelo raciocínio,
 é a intuição que mostra a solução dos problemas."
 
Mario Schenberg

Mário Schenberg

O físico e crítico de arte Mário Schenberg trabalhou com mecânica quântica, termodinâmica e astrofísica. Além de se dedicar à física, tirava fotos, preparava catálogos e estudava ciência oriental. O destaque da carreira de Schenberg é o chamado Processo Urca, que permitiu entender o colapso de estrelas supernovas. Publicou mais de uma centena de trabalhos em física teórica, física experimental, astrofísica, mecânica estatística, mecânica estatística, mecânica quântica, relatividade, teoria quântica do campo, fundamentos de física, além de escrever muitos trabalhos em matemática. Schenberg chegou a uma das principais descobertas de sua carreira: o processo Urca, em 1940, quando o brasileiro estava nos Estados Unidos a convite do astrofísico russo George Gamow. Nasceu em 2 de julho de 1914, em Recife. Estudou e trabalhou na Escola Politécnica de São Paulo. Inaugurou a cadeira de mecânica Celeste e Superior do Departamento de Física da FFCL, atual Instituto de Física da USP. Foi membro do Institute for Advanced Studies de Princeton e do Observatório Astronômico de Yerkes. Em Bruxelas, trabalhou em raios cósmicos e mecânica estatística. Criou o Laboratório de Estado Sólido da USP, instalou o primeiro computador da universidade, criando o curso de computação de lá.





Mário Schenberg




(1914-1990)
Entrevista de Amélia Império Hamburger
 (Instituto de Física, USP).
Publicada em julho/agosto de 1984.


Comemoramos este ano o 70° aniversário de Mario Schenberg. Nascido no Recife, viveu grande parte de sua infância no Rio de Janeiro, onde chegou a se preparar para o exame vestibular. Entretanto, foi em sua terra natal que entrou para a Escola de Engenharia, vindo a terminar o curso em São Paulo.

 Formado engenheiro eletricista em 1935, pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, em 1936 bacharelou-se em matemática na primeira turma da recém criada Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP. Foi professor do Departamento de Física dessa faculdade de 1940 a 1969, quando foi afastado compulsoriamente pelo Ato Institucional n° 5, juntamente com outros colegas de destaque intelectual e liderança científica e universitária. Desde 1944 foi catedrático da cadeira de mecânica racional, celeste e superior daquela faculdade. Diretor do Departamento de Física de 1953 a 1961, teve a iniciativa da criação do laboratório de física do estado sólido (física de baixas temperaturas e ressonância nuclear magnética) e da instalação do primeiro computador da USP, em colaboração com a Escola Politécnica e a Faculdade de Ciências Econômicas.

 Nessa época consolidaram-se os laboratórios de física nuclear de baixas energias — o Van der Graaff, dirigido por Oscar Sala, e o Betatron, por Marcelo Damy - e foram instalados laboratórios de física e altas energias, de fotografias de câmaras de bolha e de emulsões nucleares, com Jean Meyer e César Lattes, respectivamente, além de um laboratório de eletrônica. Sob sua influência foram implantados novos cursos no currículo, como astronomia, física do estado sólido, partículas elementares e evolução dos conceitos da física. E interessante notar uma capacidade de pôr em prática as complexas ligações entre a física experimental, física teórica, física aplicada e suas ligações com a tecnologia. Promoveu a vinda de vários professores estrangeiros com os quais tinha grande interação, como Mario Bunge, Guido Beck, G. Molière, David Bohm, Ralph Schiller, J. Osada, M. Taketani, T. Tati. 

Suas idéias daquela época repercutem até hoje. Tem ampla e intensa produção com mais de cem artigos científicos em campos fundamentais da física teórica, astrofísica e física matemática.

 Desde os bancos da Escola Politécnica seu interesse se definia pelos fundamentos da física. Sua tese de cátedra foi sobre os princípios da mecânica. Hoje, ainda, seus trabalhos buscam uma visão mais fundamental do conceito de espaço, tentando buscar relações algébricas que, a partir de um nível mais básico, determinariam as métricas, os conceitos geométricos. O início de sua carreira foi marcado pelos contatos com Gleb Wataghin e Giuseppe Occhialini, que vieram implantar a pesquisa em física na USP. 

Trabalhou com Fermi, Gamou, Pauli, Chandrasekhar, De Groot e Prigogine, com quem interagiu bastante em suas estadas no Instituto de Física de Roma, na Universidade George Washington, no Institute for Advanced Studies de Princeton e na Universidade Livre de Bruxelas. Conviveu ainda com Einstein, de Broglie, Langevin, Joliot-Curie, e outros físicos de grandes idéias fundamentais da ciência contemporânea.

 Entre suas contribuições de grande originalidade encontramos: a explicação da origem mesônica dos raios cósmicos, o papel do neutrino no problema das supernovas, uma estatística clássica de partículas indistinguíveis, a determinação do limite Chandrasekhar-Schenberg, o momento angular do campo gravitacional, interações nucleares que não conservam a paridade. Mais recentemente, seus trabalhos em álgebras quânticas, mecânica quântica e geometria, gravitação e causalidade, e teoria eletromagnética sem métrica pré-determinada, constituem linha de importante aspiração visando uma teoria unificada das forças descritas pela física. Ainda está para ser feita uma avaliação aprofundada de sua obra, que, conforme a entrevista que segue, não está terminada. No Brasil, trabalharam mais diretamente com ele J. Leite Lopes, W. Schutzer, J. Tiomno, C. Lattes, A. de Moraes, J. Meyer, J. A. 

Suwieca, N. Bernardes, Carmem L. Braga, Alberto L. Rocha Barros. Entre seus alunos incluiu-se a própria entrevistadora. Atualmente, dá um curso de pós-graduação sobre métodos geométricos de física no Instituto de Física da USP e orienta um trabalho sobre os fundamentos da termodinâmica.


Foi presidente da Sociedade Brasileira de Física, e membro do Conselho dessa sociedade durante várias gestões. Sua ação se destacou na definição de uma política da comunidade de físicos contra o acordo nuclear Brasil — Alemanha para a construção de usinas nucleares. Tem participado constantemente das discussões sobre questões de ensino, dando ênfase à integração ensino pesquisa na universidade, à necessidade de desenvolver o ensino e a pesquisa tanto nas áreas básicas quanto nas aplicadas, e combatendo o ensino livresco. Tem-se preocupado também com o reconhecimento da carreira de físico, tendo sugerido uma carreira de engenheiro físico.

Tem um livro de física elementar publicado em 1945 e está no prelo a edição de um curso sobre a evolução dos conceitos da física, que ministrou no Instituto de Física no ano passado.

É de ressaltar também sua atuação como político militante. Foi, por duas vezes, eleito deputado estadual: pelo Partido Comunista Brasileiro na Constituinte de 1946, e na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro em 1962. 

Tendo seu mandato cassado, no primeiro caso, poucos meses após a posse, com a proscrição do Partido Comunista. Eleito pela segunda vez, não chegou a ter seu diploma registrado, impedido pelo Tribunal Eleitoral. Tem sofrido coações em virtude de suas posições e convicções políticas e ideológicas, chegando a ficar preso por dois meses, tanto em 1947 como em 1964. O afastamento de suas funções na universidade foi uma violência que atingiu a todos nós.

Outra faceta de suas atividades, que amplia ainda mais o alcance de sua personalidade, é ser ativo crítico de arte e incentivador da pintura e das artes plásticas. Sua casa apresenta um ambiente fortemente impregnado da presença mágica dos quadros de Volpi, Gruber, Pancetti, Raimundo, Lourdes Cedran, esta com sua solidária presença física também.
Tem uma filha, geneticista, e dois netos.

O professor Schenberg recebeu, no ano passado, o prêmio de Ciência e Tecnologia do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O título de Professor Emérito do Instituto de Física da Universidade de São Paulo acaba de lhe ser conferido pela Congregação do Instituto.
Em agosto próximo será realizado um simpósio comemorativo de seus 70 anos, ao qual deverá comparecer o professor De Groot. Haverá ainda, em sua homenagem, um número especial da Revista Brasileira de Física, para o qual marcaram contribuições mais de vinte cientistas brasileiros e estrangeiros. O CNPq deverá patrocinar a publicação de coleção selecionada de suas obras no campo da física.

Professor Schenberg, poderia falar sobre suas aulas, sobre o que valoriza no ensino de física e na interação com os alunos?
Para começar, eu gostaria de dizer alguma coisa sobre minhas tendências de comportamento. Antes de tudo, sou pessoa de tendências intuitivas, e não de muitos raciocínios. Assim, me comporto de acordo com o que a intuição me sugere. Posso ter preparado uma aula de acordo com uma idéia e, ao chegar na sala, mudar completamente. Também não gosto muito de separar as coisas da vida. A vida não se separa em ciência, atividade política, atividade filosófica: a vida é uma coisa só, naturalmente marcada pela personalidade da pessoa, que se manifesta em tudo o que faz. Eu tenho tendência a ter uma personalidade intuitiva. Quando a gente se prepara muito, deixa de ser verdadeiro consigo mesmo, fica meio fingido, e dificulta o contato com as outras pessoas. Uma aula muito bem preparada, escrita, completa, é uma aula ruim, porque é uma coisa morta, não tem a vivacidade do que está sendo criado no momento em que se diz. O principal não é transmitir aos alunos um grande cabedal de conhecimentos, mas comunicar certos pontos de vista. 

Sempre me guiei por isso, pela sinceridade em tudo o que se fizer, não ser pedante, não ter excessivas preocupações lógicas e com a coerência. Para muitos parece desorganizado, mas acho que essa maneira de agir penetra mais no espírito do aluno que as aulas muito bem preparadas. Muitas vezes uma aula difícil faz o aluno pensar e pode lhe sugerir algo até anos depois.
Este amor à informalidade não é tão original. 

O famoso matemático e físico alemão Herman Weil dizia ter aprendido mais matemática conversando com David Hilbert, o maior matemático de seu tempo, durante os passeios que faziam pelos bosques, do que nas salas de aula, em Gottingen. Aliás, a primeira pessoa que teve forte influência sobre mim, o professor Luís Freire, da Escola de Engenharia do Recife, pai do senador Marcos Freire, também me ensinou muito desse modo, nas conversas informais em sua casa.

Acho que assim se estabelece um contato mais livre, e por isso mesmo mais profundo, entre professor e aluno, onde este aproveita muito mais.

Como o senhor vê a Universidade de agora em comparação com a de outros tempos?
A meu ver, a Universidade brasileira antigamente era melhor do que a de agora. Por exemplo, pela diferença no modo de encarar o ensino. Naturalmente, havia pessoas preocupadas em dar aulas levando em conta a didática, mas havia uma certa intuição na Universidade de que o importante não era tanto transmitir conhecimento mas estimular a criatividade do aluno. De certa forma, havia uma tendência ao informalismo dentro da Universidade, que depois desapareceu, principalmente com a reforma universitária. Pode ser que algumas pessoas ainda o conservem, mas minha impressão é que isso desapareceu.


Outra coisa diferente é que naquele tempo as pessoas não se impunham objetivos determinados de fazer teses, mestrado, doutoramentos, o que praticamente se tornou o centro das preocupações da Universidade. A pessoa não se propõe a fazer uma pesquisa científica, procura fazer uma tese. Essas teses só tem valor formativo se representarem uma pesquisa científica real. A própria pessoa, pelas dificuldades que deve superar na pesquisa, vai se desenvolvendo como cientista. Hoje, sendo uma coisa meio formal, isso não acontece. Antigamente não era assim: a única tese que fiz foi para o concurso de catedrático. Hoje se obriga a pessoa a publicar muito, a publicar demais. 

O critério para o julgamento da eficiência científica de uma pessoa é o número de publicações, o que é uma coisa inteiramente absurda. Há inúmeros trabalhos publicados que ficaram inteiramente desconhecidos. Um exemplo curioso é o de Bunsen, químico alemão que publicou mais de quinhentos trabalhos: embora tenha ajudado muito Kirchhoff a fundar a espectroscopia, é hoje conhecido apenas pelo bico de Bunsen, o bico de gás rotineiro nos laboratórios. Por outro lado, há pessoas que ficaram famosas com uma única publicação, como por exemplo o físico indiano Bose. 

A história é curiosa, pois Bose escreveu um trabalhinho de meia página e mandou para o Philosophical Magazine. Como o trabalho foi recusado, Bose mandou-o a Einstein, que o publicou, sem consultá-lo, no Annalender Physik. Nesse pequeno trabalho de meia página, descreve-se pela primeira vez uma família de partículas, chamadas bósons em sua homenagem, além de outras coisas importantes. Essa preocupação de ter um grande número de trabalhos publicados às vezes pode prejudicar as pessoas, se é que não prejudica sempre, pois a pessoa fica naquela tensão de ter que estar sempre publicando coisas novas sem tempo para se concentrar bastante em uma determinada coisa.

Seria uma questão de ir em profundidade no trabalho?
Não é somente questão de ir em profundidade num trabalho, mas de perseguir um destino também. Acho que existe alguma coisa que está além da vontade da pessoa. A pessoa não faz um trabalho profundo e original porque queira fazer um trabalho profundo e original. Faz porque faz, e às vezes nem se dá conta de que está fazendo um trabalho profundo e original. Outros é que vão se dar conta disso, às vezes até muitos anos depois da morte da pessoa. 

Acho que há um destino, acredito nisso. Toda a minha carreira de físico, por exemplo, se definiu por volta dos treze anos de idade, quando estudei pela primeira vez física e geometria. A geometria me causou um impacto muito grande, quando vi que as impressões sensoriais, as formas, aquilo que se vê com os olhos, podiam ser transformadas em uma estrutura lógica, matemática. Ao mesmo tempo, comecei a estudar física e vi que todos os fenômenos da natureza eram regidos por leis matemáticas. Mais tarde eu seria levado a pensar que toda a física era, no fundo, uma geometria. O interessante é que, antes dessa idade, eu tinha estudado matemática e não tinha gostado de nada, nem de aritmética, nem de álgebra. Não era bom aluno. Em geometria, fui pela primeira vez bom aluno em matemática, porque aquilo me tocou profundamente, despertou em mim alguma coisa, era um destino. A obrigação de fazer teses e todas essas coisas pode estar afastando as pessoas de seu destino, impelindo-as em direções que não são as delas. 

Tenho a impressão de que a educação não deve ser nunca uma carga para a pessoa: deve ser uma coisa estimulante, dando bastante liberdade ao aluno. Einstein, por exemplo, ficou com ódio até da própria Alemanha por causa do ginásio alemão, que era tão opressivo. Fez todas as coisas sozinho, e não foi bom aluno: não assistia as aulas, e procurava respeitar muito sua própria personalidade, suas intuições. Não era preocupação dele estar muito bem informado sobre as idéias dos outros, ou documentar essas idéias. Procurava desenvolver as que tinha e, se fossem as mesmas, ótimo, não tinha importância. 

O sistema atual não visa estimular a criatividade do aluno, mas sim a sua produção. Aliás, tive uma experiência interessante quando estive nos Estados Unidos em 1940, trabalhando com o professor George Gamow. Era um russo de formação européia, tinha horror à Universidade norte-americana, e me preveniu; não vá muito à universidade daqui, não é recomendável, pois a pessoa é promovida pelo peso de suas publicações, e não pelo seu peso científico. Achava que isso se devia ao fato de serem, em geral, universidades particulares, e que os boards of trustees, formados por homens de negócio, cultivavam a idéia de produção sem pensar na qualidade. O critério para promoção, para a renovação de contrato, era o número de trabalhos. Esse critério qualitativo foi introduzido no Brasil pela reforma universitária que, como se sabe, é conseqüência do acordo MEC-USAID. 

Um físico americano famoso fez uma defesa da universidade nos EUA dizendo que o país tinha necessidade de formar 50.000 engenheiros por ano, não necessariamente os melhores do mundo, para manter o desenvolvimento industrial. Quando queriam alguém de grande capacidade, contratavam na Inglaterra, onde a organização universitária permitia formar, por ano, os duzentos melhores engenheiros do mundo. Essa era a filosofia dominante: aplicavam no ensino os métodos industriais. Esse sistema foi transplantado para cá, fazendo tábua rasa de toda uma tradição universitária brasileira que já existia e que talvez fosse mais adaptada ao Brasil do que aquela que foi instituída. Estou convencido de que a Universidade de hoje é uma instituição em vias de desaparecer. Ou então será uma coisa inteiramente diferente. Terá que ser reformulada, repensada, certos objetivos deverão ser redefinidos.

O senhor tem sentido esse problema em seus contatos com alunos da Universidade brasileira?
Hoje, há alunos de pós-graduação que não sabem coisas elementares. Depois de um curso de mecânica estatística que dei agora, constatei no exame oral que um aluno não sabia o que era vapor, que vapor não é um gás. Mas isso é coisa que já se deveria saber desde o ginásio! Pelo menos no meu tempo era assim. As coisas mais elementares é que devem ser bem sabidas. Talvez os alunos tenham um conhecimento puramente operacional dessas coisas, passando a estudar coisas mais sofisticadas. Acho isso muito curioso. Não consigo formar uma idéia geral do ensino hoje em dia, mas sei que não se pode dizer que a Universidade esteja funcionando bem.

Professor Mário, gostaríamos que contasse fatos de sua infância, de como se estabeleceu sua relação com a arte, de como foi se orientando para a física.
Nasci no Recife, mas não fiquei muito tempo por lá. Por várias vezes passei longas temporadas no Rio de Janeiro onde a família vinha freqüentemente: minha mãe me contava que aos dois anos peguei a gripe espanhola no Rio de Janeiro. Em 1930, passei o ano todo no Rio para fazer o exame vestibular. 

Eu queria estudar na Europa mas não deu, não tive condições financeiras para isso. Voltei para o Recife e entrei para a Escola de Engenharia de lá. Uma das coisas mais interessantes de minha infância foi como entrei em relação com a arte. Aconteceu quando eu tinha oito anos e fui com minha família para Paris e outros lugares da Europa. Principalmente em Paris, não sei por que, as catedrais góticas me impressionaram muito. Até consegui que meu pai me comprasse um visor binocular, espécie de slides e depois da volta ao Brasil, durante muito tempo, ficava olhando aquelas catedrais góticas no aparelhinho. Foi um coisa que me marcou muito, esse encontro com a arte aos oito anos de idade, muito antes de encontrar a ciência.

 Na volta dessa viagem, quando o navio parou em Portugal, meu pai desceu de bordo e perguntou o que eu queria que ele trouxesse. Pedi um livro de história universal, e ele me trouxe o livro de Raposo Botelho, horrível, cheio de datas, nomes de reis e batalhas. Não sei como, mas li aquilo como se fosse uma delícia. Quando cheguei ao Brasil já tinha lido o livro todo. 

Começou aí esse meu interesse pela história, que é também antigo e nasceu em relação com a arte. E as duas se conservaram ligadas, mesmo depois. O interesse pela ciência veio mais tarde, aos dez anos: comecei me interessando pela tecnologia, lia uns livrinhos, em francês, sobre aviões, navios, motores. 

O fonógrafo me impressionava muito. Na minha infância o contato com a tecnologia era muito reduzido, mesmo o automóvel era ainda bastante raro. O vôo de travessia do Atlântico pelo Sacadura Cabral me entusiasmou, mas ainda não tinha idéia do que fosse ciência: só fui estudar física, química e história natural no último ano do ginásio. Esse foi um ano de grandes impactos ideológicos. Além do contato com a geometria, foi também o ano em que tomei conhecimento pela primeira vez das idéias marxistas, por meio da revista Cultura, publicada pelo Francisco Mangabeira, filho de João Mangabeira. Foi um tempo muito fecundo da minha vida, em que muitas coisas se juntaram e interagiram. Eu poderia ter me tornado um artista, mas isso não aconteceu, talvez pela estupidez dos cursos de desenho, onde se punha um jarro no meio da sala de aula e tínhamos que copiá-lo. Eu, que desenhava muito, coisas da minha imaginação, não gostava de ficar copiando detalhes. Fiquei então com o complexo de que não sabia desenhar. Só com trinta anos voltei a fazê-lo e vi que não era tão sem jeito quanto supunha.

E como começou sua carreira de físico?
Eu não fui para a carreira de físico, e nem havia carreira de físico no Brasil daquele tempo. Fui para a Escola de Engenharia, como todo mundo que tinha gosto por física ou matemática, assim como quem gostava de biologia ia para a Faculdade de Medicina. Naquela época já gostava de matemática e de física. Fiz os dois primeiros anos em Recife e depois, no terceiro, me transferi para São Paulo. No ano seguinte, criaram a Faculdade de Filosofia, com os Departamentos de Física e de Matemática, e entrei para o curso de matemática. Na época, não havia praticamente diferença entre os cursos de matemática e de física. Formei-me engenheiro eletricista em 1935 e bacharel em matemática no ano seguinte. Logo depois fiquei trabalhando, contratado como assistente, com o professor Wataghin, trazido para fundar o Departamento de Física da Faculdade de Filosofia da USP.

No último ano da Escola de Engenharia, eu já tinha feito um trabalho de física teórica sobre as Interações dos elétrons, uma aplicação da eletrodinâmica quântica. Esse trabalho foi publicado na revista italiana Nuovo Cimento ainda em 1936. No tempo de estudante eu tinha feito um trabalhinho sobre Princípios da Mecânica, de que só publiquei a primeira parte, a Introdução, na Revista do Grémio Politécnico. A segunda parte nunca cheguei a publicar. Já formado, fiz alguns trabalhos de física experimental com o professor Occhialini, também na USP, sobre raios cósmicos.

Que contatos foram significativos para o desenvolvimento de seu trabalho em física?
Aqui no Brasil esses contatos com Wataghin e Occhialini foram muito estimulantes. Pouco depois, em 1938, comissionado pelo Governo do Estado de São Paulo, fui para a Itália. Occhialini voltava para lá, em férias. Viajamos juntos, e no navio fizemos um trabalho experimental sobre a variação da intensidade dos showers de raios cósmicos com a latitude. Voltei a trabalhar com ele, mais tarde, ligado a um grupo de física experimental, na Bélgica. Em Roma, trabalhei com Enrico Fermi. Publiquei dois trabalhos sobre as funções singulares da eletrodinâmica quântica, que saíram na revista Physica. Publiquei depois um trabalho mais completo no Journal de Physique et du Radium. Fiz um trabalho interessante sobre a origem dos raios cósmicos a partir dos mésons, partículas altamente ionizastes, e não elétrons e fótons, como se pensava na época. Fermi não acreditou nisso, e eu só redigi o trabalho aqui, publicando-o nos Anais da Academia Brasileira de Ciências.

Mas o trabalho está citado no livro de Heisenherg sobre raios cósmicos. 

Depois de Fermi sair da Itália, fui para Zurique, onde trabalhei com o professor Pauli. Encontrei Pauli várias vezes mais tarde, em Princeton em 1941, e depois da guerra, em Zurique, onde ele ensinava. Tivemos contatos freqüentes, que me influenciaram muito, não só do ponto de vista da física. 

Eu que já tinha interesse pela filosofia oriental, fui estimulado por ele em muitas conversas sobre esse assunto. De Zurique, como a guerra estava para arrebentar, fui para a Bélgica, perto de um porto de mar onde pudesse tomar um navio de volta. Passei antes por Paris onde encontrei Bruno Pontecorvo, a quem me haviam recomendado na Itália. Ele me apresentou a Frédéric Joliot e passei alguns meses no Collège de France onde dei seminários e conheci Paul Langevin. Da Antuérpia peguei um navio do Lloyd Brasileiro. Era abril, e as tropas alemãs entravam em Praga. A guerra começou em setembro, quando os alemães invadiram Varsóvia. Foi um período interessante. Gostei muito da Itália, onde me identifiquei com o povo e vi muita coisa sobre arte. Foi quando comecei a me interessar de novo pela arte. Em Paris conheci Di Cavalcanti, que tinha um atelier junto com Di Chirico. Foi muito interessante fazer essa viagem a Europa, antes da guerra. Paris antes da guerra era outra coisa. Foi um mundo que ainda pude conhecer e que desapareceu.

E o senhor voltou para cá depois da guerra?
Voltei em 1948, 49. Durante a guerra fui para os Estados Unidos, com bolsa da Fundação Guggenheim, que pela primeira vez dava bolsas para o Brasil. Também recebeu essa bolsa Maurício Rocha e Silva. Fui para Washington onde estava Gamow, que eu já conhecia do Brasil. Gamow estava interessado em elucidar a possibilidade de colapso das supernovas. Poucos dias depois de ter chegado a Washington, comecei a estudar os cálculos de mecânica estatística e vi que não levavam em conta a existência do neutrino. A idéia da existência do neutrino era recente, tinha sido sugerida por Pauli e por Fermi. A energia era consumida no centro das estrelas com a emissão de neutrinos, e se dava com uma rapidez tão grande quanto a do desaparecimento do dinheiro na mesa de roleta do cassino da Urca. Daí Gamow ter chamado o fenômeno de processo Urca. Esse foi um período bom em que tive muitas idéias. 

Fui depois para Princeton, como membro do Institute for Advanced Studies, onde passei quatro meses com muita gente boa. Além de Pauli e Einstein, Feymann, que fazia tese, Wheeler, von Neuman, e Chandrasekhar. Trabalhei com Pauli em questões de relatividade geral, publiquei duas notas no Physical Review, uma chamando a atenção para o momento angular do campo gravitacional, pela primeira vez, e outra, um trabalho já começado no Brasil, sobre interações nucleares que não conservariam a paridade. Quando saiu esse resultado, Pauli não quis acreditar nele. Isso muitos anos antes da descoberta de Yang e Lee, que não conheciam meu trabalho. Sakata, num Congresso no Japão em l965 mencionou esse trabalho. Ainda em 1941 trabalhei com Chandrasekhar, no Observatório de Yerkes, sobre problemas da evolução do Sol, tendo estabelecido o Limite de Chandrasekhar-Schenberg. Esse resultado é importante em astrofísica e vale até hoje. Em 1942, se ficasse nos Estados Unidos teria que me alistar. Fui convidado para ficar trabalhando na Universidade de Chicago. Acho que foi um erro voltar para o Brasil naquele momento. 

 Voltei para fazer concurso e, como demorou até l944, fui ficando no Brasil. Trabalhei então em teoria eletromagnética, principalmente em questões ligadas ao elétron puntiforme. Em 1948 voltei a Europa para o 1° Congresso Mundial de Intelectuais pela Paz, depois de ter sido, em 1947, cassado do mandato de deputado e mantido preso por dois meses. Fiquei até 1953 na Universidade de Bruxelas, no Centro de Pesquisas Nucleares. Fiz vários trabalhos em mecânica estatística e teoria quântica, publicados no Nuovo Cimento e que foram aproveitados em vários ramos da físico-química. Além desses trabalhos fiz uma reformulação da mecânica estatística clássica, construída a partir da mecânica de Newton. Mostrava que a indistinguibilidade entre as partículas não é conseqüência da teoria quântica, mas está contida na teoria clássica. É uma questão de simetria. Eu acho que esses trabalhos de Bruxelas são muito importantes.

A voltar, o senhor se viu comprometido com a implantação do ensino e da pesquisa em física em São Paulo...
Nessa época, o Marcelo Damy era o diretor do Departamento de Física. O Paulus Pompéia também foi diretor. Primeiro a física funcionou na sede da Politécnica, na rua Três Rios, depois foi para uma casa velha na rua Tiradentes, e mais tarde para a avenida Brigadeiro, depois para a Maria Antônia e, finalmente, passamos para a Cidade Universitária. Nunca quis exercer cargos administrativos; só aceitei após ter voltado da segunda viagem à Europa, já em 1953. Aí fiquei como diretor do Departamento de Física até 1961. Contribuí para fazer várias modificações, e fui muito auxiliado pelo reitor, doutor Ulhoa Cintra. Sem a sua ajuda não conseguiríamos fundar o laboratório de física do estado sólido, e isso foi importante. Todo o pessoal do departamento ia só para a física nuclear, mas eu tinha uma divergência de opinião muito grande, tecnológica, com o pessoal do Departamento de Física. 


Eles achavam que ia haver um revolução industrial, e que essa revolução ia ter por base a energia nuclear. Eu achava que vinha realmente uma revolução industrial, mas não baseada na energia nuclear, e sim na informática, na eletrônica. Por isso, achava que se tinha que desenvolver a física do estado sólido. Ninguém no Brasil entendia disso. Já havia alguns grupos, como os liderados por Bernard Gross e Joaquim Costa Ribeiro, mas eram grupos pequenos. Tentaram também iniciar um trabalho em São José dos Campos, mas não deu certo. O nosso programa foi feito com recursos maiores, de origem federal. Quem me ajudou muito foi o então deputado Ulysses Guimarães. Enquanto todo mundo achava que o futuro seria a física nuclear, eu não só incentivei a física do estado sólido, como fiz o reitor, doutor Ulhoa Cintra, comprar o primeiro computador aqui da USP, um IBM. Mas precisei enfrentar uma oposição forte. Até os professores Oscar Sala e Carlos Gomes tentaram me dissuadir da idéia de comprar um computador. Diziam que em Boston não havia...

 Os físicos eram contra os computadores; não enxergavam que eles iam revolucionar a ciência. É como ocorreu a respeito da política nuclear brasileira. No começo, você contava nos dedos quantos estavam realmente contra: um desastre econômico, e o pessoal não se dava conta disso. Os físicos brasileiros não têm muita intuição no que diz respeito ao sentido em que a tecnologia se desenvolve. Há uma falta de senso de realidade econômica, por erro de formação. Em relação a energia nuclear, isso foi claro: não há dúvida de que o reator nuclear não pode competir de modo nenhum com a energia hidrelétrica. O cálculo do potencial hidrelétrico que as pessoas faziam era absurdo.

 A energia nuclear poderia competir com a energia da queima do petróleo, mas não com a hidrelétrica. Confundiram as coisas, achando que a energia nuclear sairia mais barata que a hidrelétrica.


Os físicos achavam que era na área da física nuclear que iria ocorrer uma nova revolução industrial, e que as outras áreas eram teóricas. Não compreendiam que os raios cósmicos foram a primeira fonte de partículas de alta energia - só depois é que vieram os aceleradores - e neles estava a questão da estrutura da matéria. Era falta de intuição sobre os caminhos que a física iria seguir. A física nuclear ficou sendo um ramo secundário, e só escaparia disso se tornasse tecnologicamente importante. Importante era a física das partícula elementares, e não a física nuclear propriamente dita. Os fundadores da física experimental no Brasil viram as coisas com certas limitações, sem muita amplitude. Ficaram fascinados com a energia nuclear.

Professor Schenberg, o senhor considera os chamados fenômenos paranormais como pertencentes a mesma realidade que os fenômenos físicos. Como é essa sua concepção?
Um dos pontos que ainda não pude realizar - e espero ainda poder fazê-lo - é a fusão da biologia com a física. O grande problema que está diante da física é o problema da vida. A mecânica quântica conseguiu fundir a química com a física, e só depois dela foi possível explicar a valência química. A fronteira da física ficou então na biologia, e o problema é como fundir essas duas ciências. 

Eu acho que entre a física e a biologia está a parapsicologia. Não a parapsicologia pensada em termos de espiritismo. Aliás, o próprio nome parapsicologia é ruim, porque dá a entender coisas que estão além da psicologia. Seria melhor parafísica, o que vem logo depois da física.


Veja só: Einstein não gostava da mecânica quântica porque achava que ia levar à parapsicologia. Que intuição! Mas ele não pensava em termos gerais da ciência, coisa que Heisenberg já fez: Heisenberg pensava em fundir a biologia e a física. O que é fundamental na biologia? Qual a característica essencial da vida? Os biólogos não respondem a isso. Eu acho que são as propriedades parapsicológicas. Einstein compreendeu, desde 1927, que a mecânica quântica está beirando a parapsicologia. Mostrou que a matéria tem propriedades como que parapsicológicas, o que na verdade é um outro relacionamento com o espaço e o tempo: não é o da física clássica, mas o da mecânica quântica. E essa fusão entre a biologia e a física talvez nem se dê pela mecânica quântica, talvez seja pela mecânica clássica mesmo. Para Heisenberg, a união da física e da biologia se dá porque o fenômeno típico da vida é haver uma história. Por que não haver certa historicidade na física? 

Essa era a idéia dele. Pode haver outras. É preciso uma certa sensibilidade para o desconhecido; o cientista tem que estar sempre à beira do desconhecido. O cientista não é o homem que está no conhecido — este é o tecnólogo. E o que está à beira do desconhecido é o problema da vida. Essa e outras questões talvez estejam ligadas a impropriamente chamada parapsicologia e tenham mais a ver com a física mesmo. Esta pode ser uma das grandes mudanças do pensamento humano, um grande salto. A formação do cientista deve criar na pessoa uma atitude de abertura para o desconhecido. Precisa-se criar um faro para o desconhecido, no sentido de se suspeitar das coisas. Einstein era assim, a percepção dele era muito forte.

A idéia de parafísica tem ligação com seu trabalho em Bruxelas?
Em Bruxelas eu procurei mostrar que, dentro da mecânica de Newton, você podia fazer uma teoria das partículas indistinguíveis, necessária para uma termodinâmica correta, a fim de evitar o chamado paradoxo de Gibbs. Achavam que isso só tinha a ver com a mecânica quântica, com o princípio de Pauli, mas mostrei que não era assim. Foi o melhor trabalho que já fiz, liga-se com a equação diferencial de Liouville na mecânica estatística. Os artigos estão publicados no Nuovo Cimento. Mas chegou um momento em que fiquei assustado, porque apareceram coisas estranhas, e eu não entendi: parecia que podiam acontecer fenômenos físicos que não tinham localização espacial.

 Mas eram teorias matemáticas. Ficou um enigma. Quem gostou foi o professor De Groot, da Alemanha. Ele me disse que fiz um aperfeiçoamento da teoria de Newton numa direção que não se supunha possível. Agora, recentemente, saiu um livro na Holanda, do físico canadense R. Paul que descobriu que, em muitos ramos da físico-química, podem ser aplicados métodos da mecânica quântica, sem que sejam questões de mecânica quântica. E era realmente isso que eu tinha feito. Em muitas questões da física clássica, podia-se aplicar métodos que pareciam ser da mecânica quântica mas não eram, que então podiam ser aplicados à mecânica newtoniana.

Por ocasião desse meu trabalho, eu nem havia ainda ouvido falar em parapsicologia. Foi só há dez anos atrás que, lendo sobre fenômenos parapsicológicos, liguei as coisas, ou seja, os fenômenos não precisam ser quânticos, podem ser clássicos. Assim que puder vou retomar essas questões.

 Talvez sejam fenômenos que tenham a ver com a telepatia, porque é certo que a telepatia tem alguma coisa a ver com a física. Só que não foi através da física que tomei contato com a telepatia, mas através da arte. A arte está bastante ligada às coisas parapsicológicas. É possível que todo fenômeno artístico seja um fenômeno parapsicológico, ou envolva esse fenômeno.

E seus trabalhos mais recentes?
Desde 1965 comecei a trabalhar em problemas da gravitação. Publiquei, na Revista brasileira de Física, em 1971, e na Acta Physica Austríaca, em 1973, dois artigos em que faço uma reinterpretação da teoria da relatividade geral como uma teoria da causalidade, em que o campo gravitacional seria um campo de causalidade. Assim, toda a geometria do espaço-tempo fica baseada na causalidade. Na Revista Brasileira de Física, em 1977, publiquei um artigo sobre isso. É um tratamento mais primário do problema do espaço, em nível pré-geométrico, sem levar em conta a existência de uma métrica riemanniana. Estou no momento continuando essa linha, fazendo um trabalho em que considero um princípio variacional da teoria eletromagnética, sem métrica que conduz às coisas da mecânica quântica. A idéia é tomar as equações algébricas do conjunto das equações de Maxwell, sem admitir a priori o número de dimensões. Tomamos as leis físicas num nível pré-métrico. 

A coisa estranha é que o desenvolvimento das equações vai exigir que a dimensão do espaço-tempo seja igual a quatro. Mas os trabalhos de que mais gosto são o de mecânica estatística clássica e este, que espero publicar até o fim do ano.

O senhor parece ter grande liberdade interior, não se ligar a esquemas ortodoxos.
Eu não me guio muito pelo raciocínio. O raciocínio é importante para provar as coisas, mas é a intuição que mostra a solução dos problemas.
Acredito que nem sempre se pode ver as coisas com clareza. Há coisas que, por sua própria natureza, não podem ser vistas com muita clareza. São coisas crepusculares, e se quiser vê-las com clareza elas somem. E têm que ser vistas mesmo assim.

Não me imponho barreiras desnecessárias. As pessoas se autocensuram. Eu não. Mas é claro que não digo tudo que penso, não sou besta. Não me censuro, mas nem sempre falo dos resultados a que cheguei. A maior parte das pessoas tem medo, medo das coisas invisíveis. Eu tenho medo dos perigos visíveis. Talvez por isso eu não seja muito crédulo.

Isso nos remete à questão política.
Eu sempre fui um homem de posições políticas definidas. Sempre que tenho certeza, alguma certeza, tomo posições políticas definidas. É um dever que a gente tem, mesmo que se erre. Assim, acho que ajudamos mais as pessoas. Temos que dar opiniões, mesmo que não possamos provar; isso pode estimular nos outros a procura, para que tomem direções. É o problema de Sócrates, que era um parteiro de idéias, tirava as idéias que estavam incubadas na cabeça das pessoas. Eu gostaria de fazer isso, e se faço, é sem a eficiência dele.

Recentemente, em um debate sobre a guerra nuclear, o senhor fez uma exposição em reposta a provocações pessimistas feitas a partir da lógica de estratégia militar.

O que eu disse foi que eu sou também matemático, até certo ponto, e por isso mesmo sei o quanto a lógica é precária, de modo que não me entusiasmo muito pelas argumentações lógicas. Sei que é muito fácil descobrir uma brecha em qualquer raciocínio. Acho que no momento atual não estamos vivendo uma situação normal para a humanidade; vivemos um momento muito especial, um momento em que a humanidade como um todo está correndo o risco de extinção total... Tenho a impressão de que vivemos um momento em que coisas excepcionais podem acontecer. Temos que apelar para outras qualidades humanas: apenas os raciocínios lógicos não serão suficientes.
Podemos alinhar uma série de argumentos, mas isso não nos leva a nenhuma decisão. O que nos leva à decisão é outra coisa, que nos impele à ação.

 Acho que a humanidade está tomando essas decisões. Vemos os povos se mobilizando pela paz na Inglaterra, na Alemanha... Além do mais, uma discussão lógica nunca é uma discussão realista. A gente pode aplicar a lógica a toda e qualquer questão. O difícil é ter o senso de realidade. O problema que se coloca hoje é este: a humanidade pode ser destruída dentro de poucos dias, ou poucas horas, ou vai continuar sua história? 

 E essa é uma questão inteiramente nova. Mesmo a questão da ideologia política de uma pessoa... não é o tipo de questão que mais interessa no momento. Diante dessa iminência de destruição total, uma divergência política e ideológica, por maior que possa ser, não é tão grande como se pensava antes... Neste momento, temos de ter uma grande intuição.

 O valor de um pensamento
 não é o quanto ele é lógico,
 mas o quanto ele representa a realidade. 

Temos que procurar vivenciar esta realidade de nossos dias, que é uma realidade muito rica, contraditória, complexa e que pode ser muito diferente do que nos parece à primeira vista. Vivemos um momento crucial e isto certamente não vai levar à inação.
diretoria@ibict.br -
www.canalciencia.ibct.br/notaveis
Alberto Ricardo Präss  
Alberto Ricardo Präss·171 vídeos
 http://www.dfq.feis.unesp.br/astro/mschen.php


Enviado em 23/01/2011- Licença padrão do YouTube

Nenhum comentário: