domingo, 31 de julho de 2011

CÂNDIDO PORTINARI

Cândido Portinari no atelièr

Por Thais Pacievitch 
 
O pintor Cândido Torquato Portinari nasceu na cidade de Brodósqui, no interior de São Paulo, no dia 29 de dezembro de 1903, numa fazenda de café. Seus pais, Giovan Battista Portinari e Domenica Torquato, eram imigrantes italianos de origem humilde e tiveram doze filhos, o segundo foi Cândido Portinari.

Aos quinze anos Portinari ingressou na Escola Nacional de Belas Artes, na cidade do Rio de Janeiro e, aos dezoito anos, vendeu seu primeiro quadro chamado Um Baile no Campo. No ano seguinte, em 1922, recebe seu primeiro prêmio: a medalha de bronze do Salão de Belas Artes.

Depois de ter sido premiado várias vezes neste Salão, Portinari viajou, em 1929, para a Eur

O contato com a efervescência plástica da Europa nos anos 30 define o rumo que o pintor seguiria ao retornar ao Brasil. Quando chega, em 1931, já está casado com Maria Victoria Martinelli, mãe de seu único filho, João Cândido.

Mestiço – Cândido Portinari
No ano de 1933, Portinari pinta seu primeiro mural na casa de sua família. A partir de 1935, consegue ficar renomado pela elaboração de seus murais que exploravam a temática brasileira, incluindo a luta das classes trabalhadoras nas plantações, nas favelas e nas cidades.

Entre 1936 e 1939, Portinari foi professor da Universidade do Distrito Federal, no Rio de Janeiro, onde participou da reestruturação inovadora do programa de belas artes e experimentou a utilização de mosaico de vidro de grandes dimensões.

Também desenhou murais para diversos edifícios no Brasil, trabalhando com Oscar Niemayer e Burle Marx, entre outros. Dentre os murais criados por Portinari fora do Brasil, podemos destacar o do Pavilhão Brasileiro para a Feira Internacional de Nova Iorque (1939) e para as Nações Unidas, em 1953.

Retirantes – Cândido Portinari
 
No mesmo ano, Portinari seu quadro chamado Café recebe menção honorária na Exposição Internacional de Arte Moderna do Instituto Carnegie, em Nova Iorque, fato que o projeta internacionalmente. No ano de 1940, Cândido Portinari foi o primeiro artista sul-americano a ter uma exposição individual no Museu de Arte moderna de Nova Iorque, o nome da exposição era Portinari of Brazil.

Portinari recebeu, entre outros, prêmios na França em 1946 (Légion d’Honneur), o Guggenheim’s National Award (1956), em Nova Iorque e a medalha de Pintor do Ano, em 1955, pelo International Fine Art Council (Nova Iorque).

Foi membro do Partido Comunista e ativista político.

Portinari faleceu no Rio de Janeiro, no dia 6 de Janeiro de 1962, em decorrência de intoxicação por chumbo.

Lavrador de Café – Candido Portinari
 
Dentre suas pinturas podemos destacar: Tiradentes, Lavadeiras, Os Retirantes, Colhedores de Café, Cena Rural, O Sapateiro de Brodósqui, Mestiço, Criança Morta, Colhedores de Café, São Francisco de Assis, Futebol, Menino com Peão, A Primeira Missa no Brasil e Grupo de Meninas Brincando.

 Pe.Anchieta escreve poema na areia
Cândido Portinari
Altar-mor -Igrejinha da Pampulha-Belo Horizonte
São Francisco - azulejo-externo-pampulha

Samba
Portinari- Menino com passarinho
Portinari - Estudo p/guerra- 1938
Portinari - Guerra e Paz

*
Fonte:
InfoEscola
http://www.infoescola.com/biografias/candido-portinari/

terça-feira, 26 de julho de 2011

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Mozart / Leonard Bernstein, 1967: Piano Concerto, K. 450 - Complete


Enviado por em 30/01/2011
1. Allegro
2. Andante (11:03)
3. Allegro (18:31)
 
Tradução do inglês para português

Quarenta e oito anos de idade Leonard Bernstein (1918-1990) é solista, e conduz a Orquestra Filarmônica de Viena em 1966 esse desempenho do Concerto N 15 de Mozart, concerto para piano em B flat, K. 450. Bernstein gravou com registros Masterworks Columbia quase exclusivamente a partir de 1950, este desempenho particular, na etiqueta Decca, é uma das únicas três gravações conhecido (os outros dois sendo Symphonie Berlioz fantastique (1976) para a EMI, e de Wagner, Tristan und Isolde (1981 ) para a Philips) que Bernstein não gravou com a Columbia. 

(A frente do capa do LP deixa claro que Bernstein está aparecendo para a Decca cortesia "da gravadora CBS.) Bernstein, mais tarde, pós-1976 gravações, foram feitas principalmente para a Deutsche Grammophon.

Todas as imagens, com excepção dos de Mozart e os da coda da pontuação no final deste vídeo, foram retiradas do rótulo de LP e da capa.

(Nota: No ano passado eu tinha enviado esse desempenho em três segmentos que tenho recebido inúmeros pedidos para carregá-lo como um único vídeo, que agora sou capaz de fazer graças à extensão do YouTube dos prazos..)


Forty-eight year old Leonard Bernstein (1918-1990) is soloist, and conducts the Vienna Philharmonic Orchestra in this 1966 performance of Mozart's 15th piano concerto in B flat, K. 450. Bernstein recorded with Columbia Masterworks Records almost exclusively starting in the 1950s; this particular performance, on the Decca label, is one of only three known recordings (the other two being Berlioz's Symphonie fantastique (1976) for EMI, and Wagner's Tristan und Isolde (1981) for Philips) that Bernstein did not record with Columbia. (The front of the LP jacket makes it clear that Bernstein is appearing for Decca "courtesy of CBS records.) Bernstein's later, post-1976 recordings, were mostly made for Deutsche Grammophon.
1. Allegro
2. Andante (11:03)
3. Allegro (18:31)

All images, with the exception of those of Mozart and those of the coda from the score at the end of this video, were taken from the LP label and jacket.

(Note: Last year I had uploaded this performance in three segments. I have received numerous requests to upload it as a single video, which I am now able to do thanks to YouTube's extension of time limits.)
Licença padrão do YouTube 
Enviado por em 30/01/2011

domingo, 24 de julho de 2011

Mozart - Concerto for Two Pianos (No. 10), K. 365 (Brendel, Cooper)



nviado por em 18/12/2010

Concerto for Two Pianos in E flat major, K. 365/316a (Piano Concerto No. 10)

I. Allegro [0:00]
II. Andante [9:52]
III. Rondo (Allegro) [17:57]

The concerto for two pianos by Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791), performed by pianists Alfred Brendel and Imogen Cooper, with conductor Neville Marriner and the Academy of St. Martin-in-the-Fields.

Licença padrão do YouTube

É uma bela obra. A finura e a graça são evidentes nas transições do finale, mas ao longo de toda a obra há encantadoras réplicas de adornos e ecos deliciosos, principalmente no segundo movimento, que amo em especial.

Mozart - Piano Concerto n. 1 K 37


Enviado por em 13/03/2011

Sviatoslav Richter - R. Barshai - Japan Shinsei Symphony Orchestra - 1994

Licença padrão do YouTube

Amo este Concerto N.1 K 37 - considerado um dos primeiros Concertos do ainda Infante Genial, uma criança de apenas 11 anos. É extraordinária a delicadeza e profundidade melódica de cada acorde - É realmente uma bela obra!

Mozart - Piano Concerto n. 1 K 37



Enviado por em 13/03/2011

Sviatoslav Richter - R. Barshai - Japan Shinsei Symphony Orchestra - 1994

Licença padrão do YouTube

Mozart's "Zaide", K. 344 - Ópera - completely incomplete!


Enviado por em 20/12/2010
This unfinished Singspiel, K. 344, by the young 24 year-old Mozart was originally titled "Das Serail" (The Seraglio... not to be conufsed with his later work, The Abduction from the Seraglio, K. 384!) The score would be sold by Constanze, his widow, in 1799 and later titled "Zaide". Probably the best known music from it is the soprano aria, "Ruhe sanft, mein holdes Leben" from Act I (at approx: 20'17").

The featured singers are Gré Brouwenstijn, Peter Pears, Bruce Boyce, Owen Brannigan, and Alexander Young. Harry Blech conducts the London Mozart Players. 1952.

Zaide

Zaide é uma ópera inacabada, K. 344, 
escrita por Wolfgang Amadeus Mozart em 1780

Infelizmente, ele abandonou a ópera para trabalhar em Idomeneo, e nunca mais regressou ao projeto. 

O trabalho permaneceu perdido até após a sua morte, quando Constanze Mozart, sua esposa, o encontrou no seus dispersos manuscritos em 1799

Os fragmentos não seriam publicados até 1838, e sua primeira estréia foi realizada em Frankfurt em 27 de Janeiro de 1866

Desde então, Zaide vem sendo reconhecida como as fundações de uma grande obra de arte, sendo muito bem recebida pela crítica.

                                                    

 Personagens

Zaide, escrava do sultão Soliman soprano
Gomatz, outro escravo do sultão Soliman tenor
Allazim, jardineiro do sultão baixo
Sultão Soliman tenor
Osmin, traficante de escravos baixo
Zaram, capitão da guarda não canta
4 escravos tenores  

Óperas de Wolfgang Amadeus Mozart
Wolfgang-amadeus-mozart 1.jpg Die Schuldigkeit des Ersten Gebots (1767)
Apollo et Hyacinthus (1767)
Bastien und Bastienne (1768)
La finta semplice (1769)
Mitridate, ré di Ponto (1770)
La Betulia liberata (1770)
Ascanio in Alba (1771)
Il sogno di Scipione (1772)
Lucio Silla (1772)
La finta giardiniera (1775)
Il re pastore (1775)
Zaide (1780)
Idomeneo, ré di Creta (1781)
O Rapto do Serralho (1782)
L'oca del Cairo (1783)
Lo sposo deluso (1784)
O Empresário Teatral (1786)
As Bodas de Fígaro (1786)
Don Giovanni (1787)
Così fan tutte (1790)
A Flauta Mágica (1791)
A Clemência de Tito (1791)

 Sinopse

A ópera se passa na Turquia, e inicia-se com os escravos cantando e trabalhando no jardim do Sultão Soliman.

Entre eles encontra-se Gomatz, um jovem cristão triste por se encontrar preso inocentemente. 

Cansado de tanto trabalho, este adormece. Zaide, a escrava favorita do Sultão, aproxima-se e apaixona-se por Gomatz.

Não querendo acordá-lo, deixa com ele um medalhão com sua foto. Ao acordar, Gomatz sente-se rejuvenescido ao encontrar tal símbolo de amor. 

Posteriormente os dois se conhecem e trocam juras de amor, mas sabem que correm um certo risco pois Sultão nutre amor por Zaide. Com ajuda de Allazim, eles planejam fugir sem serem descobertos.

Ao saber da fuga, Sultão Soliman fica enraivecido. Zaram, o chefe da guarda, tenta acalmá-lo dizendo que os fugitivos serão capturados sem demora, o que acontece logo em seguida. 

Zaide então escolhe viver ao lado de Gomatz ao invés de ficar com o Sultão. 

Allazim intervém e pede perdão e liberdade para todos, mas o Sultão está decidido a condenar todos à morte.
Neste ponto o libreto se encerra e ficamos sem saber qual seu final. 

O mais provável é que Gomatz e Zaide terminem juntos, num final feliz.

 Curiosidade


Pode-se dizer que Zaide é a ópera mais desconhecida do gênio Mozart, pois somente uma vez que a ópera foi gravada em DVD, no Festival de Salzburgo em 2006, onde todas as óperas de Mozart (completas ou incompletas), foi representadas em montagens super-modernas.

Zaide

Miniatura de partitura

Concertos

Português

Zaide - Das Serail

cover
Sheet Music Plus
  • Preço- $34.95
  • Instrumentos-Oboe, French horn, Percussion, Bassoon, Horn, Mens choir, Piano, Vocal, Trumpet, Flute, Choral, Vocal-Editor-Baerenreiter
  •  Wikipedia Português - A enciclopédia livre
    Zaide é uma ópera inacabada, K. 344, escrita por Wolfgang Amadeus Mozart em 1780, com o libreto de Johann Andreas Schachtner. Infelizmente, ele iria abandonar logo Zaide, para trabalhar em Idomeneo, e nunca regressou ao projeto. 
     
    O trabalho foi perdido após a sua morte, quando Constanze Mozart, a sua esposa, o encontrou no seus dispersos manuscritos em 1799. Os fragmentos não seriam publicados até 1838, e sua primeira estréia que foi realizada em Frankfurt em 27 de Janeiro de 1866. 
     
    Zaide desde então foi dito a ser os alicerces de uma obra de arte, crítica e recebeu elogios, sendo reconhecida uma grande obra do gênio Mozart, mas foi esquecida.

Descrição

Deutsches Singspiel em 2 Akten. Em nach dem Klavierauszug der Neuen Mozart-Ausgabe sind die verschollenen, ursprunglichen Dialogtexte ersetzt durch Texte aus dem "Bozener Textbuch" zu dem Singspiel "Das Serail".

Por Wolfgang Amadeus Mozart. Editado por Friedrich-Heinrich Neumann. Organizado por Heinz Moehn. Texto: Johann Andreas Schachtner; Werner Oehlmann. Para solo Soprano, Tenor solo (2), Bass solo (2), Homens de coro TTTT, Flauta (2), Oboé (2), fagote (2), Horn (2), trompete (2), timbale, Strings. Singspiele. Redução Piano / Partituras Vocal (pano bound). KV 344 (336B). Duração 90 '. Publicado por Baerenreiter-Ausgaben (importação alemão). (BA4510 90)Deutsches Singspiel em 2 Akten. Em nach dem Klavierauszug der Neuen Mozart-Ausgabe sind die verschollenen, ursprunglichen Dialogtexte ersetzt durch Texte aus dem "Bozener Textbuch" zu dem Singspiel "Das Serail". Por Wolfgang Amadeus Mozart. Editado por Friedrich-Heinrich Neumann. Organizado por Heinz Moehn. Texto: Johann Andreas Schachtner; Werner Oehlmann. Para solo Soprano, Tenor solo (2), Bass solo (2), Homens de coro TTTT, Flauta (2), Oboé (2), fagote (2), Horn (2), trompete (2), timbale, Strings. Singspiele. Redução Piano / Partituras Vocal (pano bound). KV 344 (336B). Duração 90 '. Publicado por Baerenreiter-Ausgaben (importação alemão). (BA4510 90)

Deutsches Singspiel in 2 Akten. In dem Klavierauszug nach der Neuen Mozart-Ausgabe sind die verschollenen, ursprunglichen Dialogtexte ersetzt durch Texte aus dem "Bozener Textbuch" zu dem Singspiel "Das Serail". By Wolfgang Amadeus Mozart. Edited by Friedrich-Heinrich Neumann. Arranged by Heinz Moehn. Text: Johann Andreas Schachtner; Werner Oehlmann. For Soprano solo, Tenor solo (2), Bass solo (2), Men's choir-TTTT, Flute (2), Oboe (2), Bassoon (2), Horn (2), Trumpet (2), Kettledrum, Strings. Singspiele. Piano Reduction/Vocal Score (cloth bound). KV 344 (336b). Duration 90'. Published by Baerenreiter-Ausgaben (German import). (BA4510 90)

Available to purchase from Sheet Music Plus

Continua para Sheet Music Plus

Ligações Externas

Origem: 
Wikipédia, a enciclopédia livre.

Categoria:Música-Palavras-chave:-Tochter und Sohn

Licença padrão do YouTube -